Categorias
Curiosidades

Produtos naturais contra a crise de meia-idade

A chegada da menopausa traz uma série de desregulamentos hormonais que podem colocar em risco a saúde e o bem-estar da mulher. Os produtos naturais podem ser uma excelente opção…

A menopausa é uma das fases da vida mais marcantes para as mulheres, pois encerra o seu período fértil e dá as boas-vindas a uma nova forma de estar e de olhar para o corpo.

Durante a fase que antecede a menopausa e durante a própria menopausa, é comum que aconteçam alguns desregulamentos hormonais que, quando não são controlados, podem colocar em causa não só o bem-estar como a própria saúde da mulher.

Incluir na alimentação produtos geneticamente modificados, continuar a ingerir diariamente alimentos gordos à base de leite, usar cosmética com parabenos e optar por alimentos armazenados em plástico são alguns dos fatores que desencadeiam as mudanças desregulares das hormonas.

Mas tão ou mais importante do que evitar estes fatores de risco, é apostar numa alimentação equilibrada e variada, que se assume como uma das formas naturais mais eficazes de regular toda a espécie hormonal. Essa alimentação, conta o site Mind Body Green, deve e feita com frutas e vegetais (50%), proteína (25%) e gorduras saudáveis e hidratos de carbono complexos (25%).

De acordo com a publicação, as mulheres na meia-idade devem apostar em alimentos como a linhaça, o feijão preto, a avelã, as sementes de sésamo, a canela, os vegetais de folha verde, o ovo, o pepino, o gengibre, as bagas de goji e ainda alguns tipos de iogurte, desde que sejam com baixo teor de matéria gorda e açúcares adicionados.

O álcool, a comida picante e os alimentos processados não têm de ser banidos, mas devem ser consumidos com muita moderação.

Uma outra forma natural de cuidar das hormonas depois dos 50 anos implica a atividade física, que deve ser incluída na rotina diária e que deve ir ao encontro da capacidade de cada mulher.

A qualidade do sono, claro, é também um fator decisivo para o bom funcionamento do organismo.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *